Resseguros
Product Family
Recursos & Ferramentas

Perguntas e respostas com Brian Strain e Tom Gallagher da AXA XL

A prioridade, para muitas empresas, é fornecer produtos de alta qualidade aos seus clientes dentro do prazo. E, por conta disso, não querem que nada, incluindo panes do equipamento, atrapalhe o caminho. O diretor da divisão de Seguros contra panes de equipamentos da AXA XL, Brian Strain, e Tom Gallagher, líder da divisão de Engenharia de panes de equipamentos, têm as mesmas prioridades. Eles querem que seus clientes vendam seus produtos.

Felizmente, as medidas preventivas, incluindo estratégias de prevenção de perdas, engenharia de confiabilidade e seguros, estão ajudando a proteger a saúde financeira das instalações, manter os equipamentos em funcionamento e os produtos de alta qualidade para entrega. Aqui Brian e Tom explicam mais.

Qual é o estado atual do mercado de seguros contra panes em equipamentos?
Strain:
Neste momento, a capacidade está diminuindo. Além disso, também tem poucas transportadoras no mercado porque existem algumas exposições desafiadoras, tanto em termos de complexidade quanto de gravidade dos riscos associados.

Obviamente, a crise de capacidade chega em um momento em que as empresas dependem mais de vários tipos de equipamentos para conduzir os negócios de várias maneiras. Como essa dependência continua crescendo e os processos estão se tornando mais automatizados do que nunca, assegurar que o equipamento e a tecnologia permaneçam confiáveis e operacionais é uma parte importante do processo de produção para muitas empresas.

Quando você diz “exposições desafiadoras”, o que quer dizer?
Strain:
Em geral, estamos falando de equipamentos muito grandes e altamente especializados como grandes prensas de forja e mini moinhos de aço, equipamentos de fabricação de concreto e fábricas de papel, para citar alguns. Sistemas de geração de energia, unidades de congelamento industriais, fabricação de alimentos e também equipamentos críticos de produção. Quando sistemas como esses são danificados ou inoperáveis, o impacto sobre os negócios pode ser devastador:

  • Interrupção das atividades: o tempo de inatividade para reparos pode resultar na incapacidade de uma empresa de cumprir os contratos existentes ou até mesmo de participar de licitações em novos pedidos;
  • Propriedade: reparar ou substituir equipamentos pode ser muito caro. Alguns dos equipamentos são únicos e o tempo de espera para novos equipamentos ou mesmo peças de reposição pode ser extremo;
  • Meio ambiente: os sistemas de refrigeração industrial que usam amônia anidra como líquido refrigerante podem resultar na liberação de líquidos e gases tóxicos que podem contaminar os produtos alimentícios.

Gallagher: É fácil ver o quanto abrangente e prejudicial podem ser as panes em equipamentos complexos. Um agravante da complexidade desses riscos é a frequência, estamos vendo mais delas acontecendo nos últimos anos. É por isso que nossa atenção à engenharia fiável é uma grande vantagem para nossos clientes de seguros contra panes de equipamentos. Até mesmo uma única peça (crítica) do equipamento pode resultar no desligamento de uma operação que pode impactar negativamente as metas de produção de uma instalação, incluindo a capacidade de entregar o produto na quantidade e dentro do cronograma prometido aos seus clientes. Fomos a primeira seguradora a oferecer seguros contra panes de equipamentos e incorporar relatórios de engenharia fiável sobre equipamentos críticos em nossa oferta de produtos.


É por isso que nossa atenção à engenharia fiável é uma grande vantagem para nossos clientes de seguros contra panes de equipamentos.

O que é engenharia fiável?
Gallagher:
Em poucas palavras, avaliamos a confiabilidade dos equipamentos críticos de nossos clientes com base em resultados de dados mensuráveis de vários programas de manutenção preventiva e preditiva. É uma abordagem consistente, reproduzível e quantificável para avaliar a confiabilidade do equipamento. A engenharia fiável está ganhando força como uma maneira cada vez mais viável de ajudar as empresas a lidar com vulnerabilidades de equipamentos que podem impactar os riscos de continuidade dos negócios, como interrupções não planejadas de equipamentos. Fornecemos a eles uma avaliação aprofundada da confiabilidade dos equipamentos críticos de produção. Esta função foi projetada para ajudar as empresas a maximizar a confiabilidade da produção e reduzir a possibilidade de interrupção dos negócios.

Nosso relatório EB de confiabilidade de equipamentos críticos fornece às empresas uma soma concisa dos resultados da avaliação em um formato tabelar que inclui a classificação crítica dos equipamentos, perda máxima provável (PML) e perda máxima previsível (MFL), uma breve descrição da classificação para cada equipamento ou serviço crítico avaliado e recomendações de ações corretivas, entre outros detalhes de confiabilidade do equipamento.

Strain: Por meio de nossa avaliação de relatórios, recomendações e cenários de perda, fornecemos aos nossos clientes uma visão geral do tipo “panorama geral”, permitindo que eles se aprofundem mais à medida que desejam dados adicionais para direcionar com eficácia as exposições da planta que podem levar à interrupção da produção e perda de receita comercial. Embora essas informações nos ajudem como subscritores a realizar a cobertura EB, nossas classificações de confiabilidade e recomendações subsequentes podem fornecer uma ferramenta útil para CFOs, gerentes de risco e gerentes de planta ao alocar recursos para maximizar as taxas de disponibilidade. Tudo se resume a manter a confiabilidade da planta e a colocar o produto no mercado.

O mercado de panes de equipamentos está observando um aumento das panes?
Strain:
Sim. A economia está aquecendo. Como resultado, o equipamento está funcionando por períodos mais longos e com maior capacidade para tentar maximizar a produção. Há também menos tempo de inatividade e a manutenção periódica pode ser atrasada ou podem ser usadas alternativas. O resultado é uma maior probabilidade de panes e danos subsequentes.

Gallagher: Outra área de risco é o superdimensionamento, à medida que os equipamentos críticos ficam cada vez maiores para aumentar a produção. A demanda por produtos ou serviços aumenta, engenheiros e fabricantes continuam a inovar para projetar e construir máquinas maiores que possam acompanhar o aumento da demanda. E à medida que essas máquinas aumentam o tamanho e a produção, as cargas em suas várias peças de componentes, como correias, parafusos, engrenagens, sistemas hidráulicos, rolamentos e estruturas também aumentam, criando um maior risco de panes.

Mas assim que um equipamento está funcionando novamente, a empresa volta aos negócios como de costume, certo?
Strain:
Infelizmente, não é tão simples assim. Veja o Pumpkin Spice (mix de especiarias), por exemplo. Na maior parte do tempo, esse sabor aparece em tudo, desde café, cereais, cookies e sorvetes, com produtos que aparecem nas lojas no final do mês de setembro. A fabricação desses produtos na verdade começou meses antes, de modo que estariam prontos para o envio a tempo para a demanda sazonal.

Mas suponha que o sistema de congelamento de um fabricante de sorvete falhe, causando a deterioração de suas remessas iniciais de sorvete de abóbora. Consertar o sistema pode levar apenas alguns dias, mas nesse tempo ele não apenas perdeu uma quantidade enorme de estoque, mas também perdeu um tempo valioso para chegar aos seus clientes no pico da temporada do Pumpkin Spice.

Gallagher: Além disso, sendo uma operação de manuseio de alimentos, suas instalações precisarão ser totalmente limpas. Em seguida, estará sujeito à inspeção por agências como a FDA e/ou a USDA. Dependendo da natureza da falha, a OSHA (Administração de Segurança e Saúde Ocupacional) pode até mesmo estar envolvida.

Com a demanda por Pumpkin Spice tão alta, a empresa vai querer capitalizar sobre essa demanda sazonal e seus acionistas certamente esperam isso. Assim, uma vez que tudo for reparado, inspecionado e estiver online novamente, eles provavelmente irão adicionar mais turnos e operar seus equipamentos por mais tempo com menos tempo de inatividade, aumentando assim o potencial de outro sinistro por pane. É por isso que a atenção à confiabilidade do equipamento é mais importante do que nunca.

Como sua equipe está se antecipando a esses riscos?
Gallagher:
Nossa abordagem para avaliar a confiabilidade desses riscos, sejam eles novos ou estejam no mercado há anos, é vital. Olhamos não apenas as instalações onde o equipamento está sendo usado, mas também os componentes críticos dentro do próprio equipamento. Estudamos de perto os dados de monitoramento do equipamento, mas também nos concentramos em interpretar os dados para entender o que eles realmente significam e identificar tendências. O resultado desse trabalho é um conjunto de Indicadores Principais de Desempenho (KPIs) exclusivos para cada peça individual do equipamento crítico, o que nos permite avaliar e classificar com precisão sua confiabilidade. Essa abordagem detalhada nos distingue de nossos concorrentes.