AXA XL uses two forms of cookies on this site:

  1. to enable the site to operate and retain any preferences you set
  2. for analytics to make the site more relevant and easy to use

These cookies do not collect personal information. For more information about our cookie usage, please click here. To comply with EU privacy laws you must consent to our use of cookies.

By using this site, you agree that we can place these types of cookies on your device. If you choose to change your cookie settings you will be presented with this message the next time you visit.

Fast Fast Forward

Riscos e oportunidades ao longo da costa brasileira

Riscos e oportunidades ao longo da costa brasileira

By

O mercado brasileiro de portos e terminais está crescendo rápido -  na verdade, mais rápido do que a economia brasileira como um todo. Em termos de prêmios emitidos, espera-se para 2015 um aumento de 10% nas apólices subscritas para Portos e Terminais, de acordo com fontes do mercado, enquanto a economia do país como um todo deve  encolher 1,5% segundo o FMI. O aumento total nos prêmios emitidos nessa linha de negócios, segundo a SUSEP, não deixa dúvidas: eles alcançaram R$ 75 milhões em 2012 e quase dobraram em 2014 para R$ 147 milhões. Somente no primeiro quadrimestre de 2015, o total foi de R$ 17 milhões.

O que está levando a esse crescimento?

O setor de Portos e Terminais no Brasil cresce por três razões principais. A primeira é a necessidade vital por este tipo de transporte já que o País é um produtor-chave de commodities para o mercado internacional. Quase metade das exportações brasileiras em 2014 (48,7%) foi de commodities, lideradas pelo complexo soja (14%), produtos de mineração (12,6%) e petróleo (11,2%). Um terço das exportações do Brasil tem como destino a Ásia, cuja distância impede a utilização de outros modais. Não é de se admirar, portanto, que o País esteja entre os 10 maiores exportadores de produtos transportados em contêineres. Há, também, a crescente substituição do modal rodoviário, que tem sua competitividade comprometida pela qualidade das estradas e pelo alto índice de roubos nas rodovias do País, pelos modais marítimo e fluvial.

A segunda razão é que a infraestrutura atual não atende às necessidades da economia. Embora o Brasil tenha 35 portos públicos, eles não são eficientes o suficiente para atender a demanda. Na verdade, hoje eles muitas vezes são cenário para longas filas de navios, no lado do mar, e de caminhões, no lado da terra.

A expansão é necessária e é esperada para os próximos anos. Atualmente ela é liderada por investidores internacionais: eles estão investindo diretamente através de joint ventures em portos de alto tráfego, como Santos (SP), Rio de Janeiro (RJ), Itapoá (SC) e Itajaí (SC). Esses projetos irão aumentar a produtividade do setor: com novos equipamentos e instalações modernas, os novos operadores alcançarão níveis mais elevados de movimentação por hora, aumentando a competitividade dessa indústria.

A necessidade de ir além da legislação

A terceira razão pela qual podemos esperar que o setor de Portos e Terminais cresça mais do que a economia brasileira em 2015 e nos próximos anos é o fato de que o Brasil já possui legislação específica para essa atividade. Trata-se da Portaria 111 da Secretaria de Portos da Presidência da República. Ela exige que os operadores tenham apólices específicas para as operações portuárias para cobrir danos causados ​​a terceiros, à propriedade pública e ao ambiente. Isso ajuda o setor a avançar: ter um marco legal é premissa para qualquer mercado crescer.

Mas em alguns casos, os operadores e os investidores têm de ir além da legislação e o setor de Portos e Terminais é um bom exemplo: afinal, os riscos enfrentados por esta atividade são mais amplos e complexo. Portos e Terminais enfrentam o desafio de operar dia e noite para manter a sua competitividade. Eles lidam com produtos perigosos, inflamáveis ​​ou com elevado potencial de contaminação ambiental. Eles estão sujeitos a condições meteorológicas que podem exigir a interrupção das atividades. A possibilidade constante de perda de lucros, portanto, é um desafio contínuo. Da mesma forma, é preciso um olhar mais atento sobre as exposições em termos de responsabilidade civil do operador. Ou danos diretos a bens segurados, tais como máquinas, edifícios e escritórios.

Compreender os riscos envolvidos em uma operação desta natureza e enfrentá-los, por meio de uma estratégia de gestão de risco consistente, são fatores-chave para o sucesso - e não só para os portos marítimos, mas para as empresas em geral. Isso pode significar ir além do que a lei exige, ou seja, passar de uma cultura de compliance a uma cultura de gestão de risco. Portos fluviais são um exemplo perfeito: embora não estejam sujeitos a esta lei, há uma tendência de adquirir apólices de seguro uma vez que estas operações correm os mesmos riscos ambientais, de danos à propriedade, de responsabilidade e de interrupção de negócios.

Como este mercado estará em dez anos?

Eu não duvido que a indústria de Portos e Terminais vai continuar crescendo mais rápido do que a economia brasileira nos próximos anos. Dentro de 10 anos, acredito que as filas de navios não farão mais parte da paisagem das praias brasileiras.

O investimento internacional irá melhorar a operabilidade e produtividade de portos e terminais a fim de lhes permitir atender melhor à demanda geral do país. E isso vai levar a um avanço tanto na gestão de riscos como na demanda por apólices de seguro mais profundas e abrangentes.

E, à medida que uma cultura de risco for se tornando mais  prevalente, com portos e terminais mais eficientes, melhores práticas de gestão de risco e mitigação, o setor de seguros estará pronto para apoiar esse crescimento com soluções sob medida para os riscos complexos que os operadores de portos e terminais enfrentam. Para o Brasil, isso significa mais competitividade no mercado e melhores condições para as organizações crescerem e ajudarem o País a se desenvolver.

© 2018 AXA SA or its affiliates
AXA XL is the P&C and specialty risk division of AXA.